Infraestrutura busca opção para adiantar liberação da Ponte da Integração
17/08/2022 - 09:00

Com o tabuleiro da Ponte da Integração quase concluído, olhares se voltam para a nova rodovia de acesso. Secretaria dialoga com Receita Federal quanto à liberação do tráfego internacional de veículos de carga.

 

A nova Rodovia Perimetral Leste de Foz do Iguaçu, na região Oeste, atingiu 16,57% de conclusão em agosto, um investimento de aproximadamente R$ 17 milhões. Está praticamente concluído o viaduto na rodovia de acesso à Ponte Tancredo Neves, e em fase de finalização os viadutos no acesso ao Porto Iguaçu e no entroncamento com a Rodovia das Cataratas (BR-469).

A obra é resultado de parceria entre o Governo do Estado, Governo Federal e a Itaipu Binacional, com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR) encarregado da execução, com recursos da Itaipu. Estão em andamento também os serviços de terraplenagem da futura pista da perimetral, bem como dos locais onde serão construídas as duas novas aduanas, nas fronteiras com Paraguai e Argentina, além da implantação de dispositivos de drenagem.

A meta do DER/PR é concluir a rodovia perimetral entre a Ponte da Integração e a Rodovia das Cataratas até o final do ano, com o trecho seguinte da obra sendo finalizado em 2023.

RECEITA – Com a perspectiva de ter o acesso parcialmente concluído para a ponte antes de serem finalizadas as novas aduanas, a Secretaria de Infraestrutura e Logística do Paraná dialoga com a Receita Federal em busca de uma solução para liberar o uso da ponte com a maior brevidade possível.

“Em tratativas com a Receita Federal, diante das solicitações feitas pelos órgãos de controle aduaneiro, o que apresentamos como viável para a liberação do tráfego, neste primeiro momento e já com estrutura alfandegária, é a utilização do trecho que liga a Ponte da Integração à BR-469 para acesso de veículos de carga vazios, e com fluxo exclusivo de saída do Brasil”, explica o secretário Fernando Furiatti. “Propomos o fechamento de todo o trajeto com cercamento, garantindo que os veículos passem provisoriamente pela atual Aduana da Argentina, e oferecemos estrutura na cabeceira da ponte para agentes de segurança. Toda a rota foi estudada para bloquear áreas de fuga”.

Sem esta solução ou opções semelhantes, a ponte permaneceria fechada ao trânsito até serem concluídas as obras nas aduanas. “É uma solução temporária, que já traria vantagens ao município. Caminhões vazios rumo ao Paraguai passariam pela Ponte da Integração e retornariam pela Ponte da Amizade, já reduzindo o tráfego de veículos pesados do centro de Foz do Iguaçu, melhorando as condições de segurança e conforto para moradores e condutores de veículos de passeio que circulam entre os países”, explica Furiatti.

Caso a solução seja adotada, ela será amplamente divulgada junto à imprensa e veículos oficiais, uma vez que a ponte esteja concluída, bem como o trecho da rodovia entre a ponte e a BR-469.

Permanece em obras a rodovia de acesso à ponte no município de Presidente Franco, no Paraguai.

 

GALERIA DE IMAGENS